10 de setembro de 2013

cause I'm halfway gone... and I'm on my way.

 6 MESES, PORRA!

eu acho que o marco de 6 meses é o mais difícil de superar. é exatamente a metade do caminho, onde você se divide entre o que já foi, o que ainda tem pra ser, o tempo acabando, passando rápido demais, a vontade de rever todo mundo, a vontade de nunca mais ir embora, o medo do que vem por aí, o medo de deixar pra trás o que viveu por aqui, a incerteza do que se quer pro futuro e a certeza de que tudo até aqui valeu muito a pena. 

a chegada em março. 

o problema é que eu nunca soube lidar muito bem com prazos, sabe? nunca tive perspectiva e noção de planejamento muito boas pra conseguir distribuir tudo o que preciso fazer pelo tanto de tempo que tenho pra fazer numa proporção bacana. 
e são poucas coisas na vida que tem prazo de validade, não é mesmo? e das que tem, a maioria são chatas, tediosas, que a gente não vê a hora de acabar. 

abril.

mas aí, eu me descobri num relacionamento estável com essa vida que tô levando. a fase de lua de mel já passou, já descobri aquelas verdades ocultas do meu par romântico e até mesmo fui conhecer possíveis substitutos... e mesmo assim, o amor sobreviveu e só aumentou. amsterdam se tornou o amor da minha vida. aquele ser que mesmo com todos os defeitos, te encanta e te faz suspirar sem você nem saber exatamente o motivo... que te emociona quando você lembra dos momentos juntos, do qual você tem medo de se separar. só que eu tenho que me separar. 

maio.

isso de relacionamento com prazo de validade é uma furada. vocês devem pensar muito bem nisso antes de embarcarem de cabeça. como eu disse, não sei lidar com prazos, e me aprofundei demais numa relação da qual não vou ter o tempo suficiente pra sair numa boa. me sinto numa daquelas histórias frenéticas de amor impossível, onde por mais linda que seja, todos que assistem sabem que não vai acabar bem. 

junho.

você tem idéia do que é estar o mais feliz que já esteve em toda a sua vida e saber que essa felicidade toda tem hora pra acabar? 
pois é. 

julho.

e tem toda uma parte de mim gritando que isso não pode acabar, que tem que ter um final diferente, que não é possível não haver saída... ao mesmo tempo em que todo o peso do mundo real me chama. eu sou sempre a primeira a fazer graça dos filmes com finais perfeitos, afinal, nunca é assim que acontece. e agora sou eu que estou aqui. implorando pra que o final perfeito seja sim uma opção válida. 

agosto.

o problema de se descobrir algo na vida do qual a gente gosta muito, que nos faz feliz, que nos preenche, e dá sentido pra tudo, é que a perspectiva de ter que deixar isso de lado, e voltar pra uma realidade cruel e sem graça, é depressiva. simplesmente não vejo espaço pra mim na minha vida de antes. não há espaço pra vida de antes em mim. e os 6 meses são o marco exato disso. stuck in the between. 

mas vamos falar de coisa boa né? 
nesses 6 meses eu já: 
  • aprendi um pouco (ridiculamente pouco) de dutch! HÁ!
  • tive meu fair share de tombos e catástrofes de bike 
  • domei a bakfiets
  • domei as kids (pfff quem dera) 
  • viajei pra 4 países, além da holandinha querida
  • risquei a maior parte dos meus destinos internacionais already
  • escolhi amsterdam como minha cidade favorita ever 
  • descobri que ninguém knows how to party like brazilians
  • e que amsterdam é pura propaganda enganosa, a vidalokagem é muito maior no interior de São Paulo que aqui
  • conheci um amontoado de gente nova de todos os lugares do brasil
  • fiz amizade com gente que jamais imaginei que faria
  • me despedi de amigas (e parti meu coração no processo) 
  • aprendi a cozinhar razoavelmente bem! HÁ! 
  • me perdi incontáveis vezes de todos os meios de transporte possíveis (a pé, de bike, de carro, de tram, e de trem. viva! gold star pela conquista!) 
  • aprendi a me virar sozinha. completamente sozinha
  • me apaixonei por cada uma das minhas kids
  • me apaixonei por essa cidade, por esse país 
  • aprendi que comida boa que nem a brasileira não existe
  • mas que a cerveja holandesa talvez compense pelo restante do cardápio
  • aprendi que certas diferenças culturais nunca serão superadas 
  • que algumas outras são apenas bobagem da nossa cabeça 
  • e que brasileiros definitivamente são o povo mais amigável e dócil do mundo todo
  • descobri todas as técnicas de economia e picaretagem pra salvar dinheiro possíveis 
  • vivi os melhores seis meses da minha vida que consigo me lembrar

e é isso aí pessoal. vamos aguardar os próximos capítulos e ver como será a segunda metade dessa jornada! 

ps: e pra todos aqueles que um dia duvidaram que eu sequer CHEGARIA aqui, muito menos duraria 6 meses e ainda por cima numa boa, apenas aceno de cima da minha colega vaca no centro de amsterdam. beijinhos

partiu segundo semestre! 

8 comentários:

  1. Ain isa sua linda! nem sabia que tu tinha blog! vou ler todinho! e eu ai represent! fiz parte desses 6 meses, assim como vc fez do meu ano aqui!!adogo vc!!!

    ResponderExcluir
  2. Isa! Adorei o post! Muitas das coisas que escrevestes estou passando agora também! Boa sorte pra nós! beeijos

    ResponderExcluir
  3. Acho super o seu blog, sempre dá, leeio-o ;)

    ResponderExcluir
  4. Menina, como demorei tanto a achar seu blog? hahaha.. adorei! :)

    ResponderExcluir
  5. Menina, como demorei tanto a achar seu blog? hahaha.. adorei! :)

    ResponderExcluir
  6. Ha, demais esse post (assim como todos os outros), medooo dos 6 meses, mal estou fazendo um mes na holanda linda e controlando esse turbilão de informações aos trancos e barrancos, curto o jeito que escreves, não desiste do blog hein! Faz pq é pra tu mesma lembrar futuramente que valerá a pena. Nos vemos dia 28! Hahaha, beijo

    ResponderExcluir
  7. Lindaaa!!! Quantas fotos lindas e que post demais de ler!!!! Adoreeeeei :DDDDDD

    ResponderExcluir